CoworkingPOR PONTO URBANOPUBLICADO EM 19/04/2018

Ressignifique aquela tarefa chata!

Não tem como escapar: em qualquer atividade, haverá alguma parte do trabalho que não agrada muito ao responsável por ele. Uma planilha para preencher, apresentação de relatório para montar, aquela ligação que você posterga por dias… Nas unidades de coworking da Ponto Urbano, tentamos deixar o ambiente o mais favorável possível para que nossos coworkers consigam se concentrar e desenvolver suas tarefas de maneira eficiente, mas sabemos que alguns dias são mais difíceis que outros (acontece com a gente também! #tmj).

Seja por falta de motivação ou interesse, problemas pessoais que estejam distraindo a mente ou carência de processos que facilitem a produtividade, de vez em quando todos sentiremos aquela preguiça até de começar, e faremos tudo de má vontade.

Mas não se desespere - a Ponto Urbano descobriu algumas soluções para o seu problema! Spoiler: vai depender de muita disciplina.

O consultor de Gestão Organizacional Fellipe Silvester explica que essa falta de vontade acontece, muitas vezes, pela falta de significado que você atribui àquela determinada tarefa, meta ou objetivo. “Para ter direção e consistência, é importante saber para onde vai e por que está indo para aquele lugar. Costumo dizer que a realização de uma atividade é como uma viagem a outra cidade: você primeiro precisa saber para onde está indo, o que vai ter nessas cidades e, o mais importante, como você vai chegar lá. Refletir sobre a real necessidade e consequências desta atividade a curto, médio e longo prazo e ter seu objetivo em mente fará ser bem mais fácil achar o valor e o interesse das atividades chatas - as quais vivemos procrastinando”, comenta ele.

 

Exercício de atenção

Nossa percepção de mundo orienta nossas escolhas, possibilidades e ações, e Roberto Debski, psicólogo e diretor da Clínica Ser Integral, afirma que vivemos continuamente em contato com o mundo, participando de diversos sistemas, como o familiar, profissional, amizades etc. Segundo ele, sentiremos e agiremos de acordo com nossas percepções, que variam e flutuam continuamente entre pólos extremos, devido às condições físicas (doenças, cansaço), condições emocionais (tristezas e perdas), acontecimentos diários e nossas próprias expectativas, meio em que estamos e relacionamentos.
“Aquilo em que focamos, ampliamos. Se olharmos somente para o que nos desagrada, aquilo crescerá enormemente. Então, é importante aprimorar a maneira de perceber o mundo, valorizar o que nos faz crescer e caminhar para a saúde, que são formas de ampliar a consciência e o autoconhecimento”, orienta ele.

A estratégia de não colocar muito foco no problema é endossada por Bruno Almeida, especialista em desenvolvimento de carreira e idealizador do projeto Superando Desafios: “não analise a tarefa individualmente e busque ver o que pode aprender com ela, que habilidade pode desenvolver ao realizá-la. Se fazer uma fórmula no Excel parecer chata, questione-se o motivo. Será chata ou por que você não domina? O que você ganha ao aprendê-la? Você está disposto a aprender a fazer a tarefa com mais qualidade?”, questiona o coach.

 

Estratégias:

Profissionais e empreendedores falam sobre o que você pode fazer para tirar aquela pedra no seu sapato profissional e tornar sua rotina mais prazerosa:

 

Dr. Roberto Debski, psicólogo e diretor da Clínica Ser Integral:
- Faça uma lista daquilo que ganhará ou se beneficiará ao terminar a tarefa.
- Conecte-se com o lado positivo de cumprir seus objetivos.
- Tenha uma perspectiva mais ampla, pense em todos que esperam que você consiga, e aqueles a quem irá ajudar ao cumprir sua missão.
- Faça um cronograma e comemore consigo mesmo quando for conquistando os objetivos.
- Se a tarefa for grande, divida-a em sub-tarefas e alegre-se ao atingir cada uma delas.
- Procure perceber o lado interessante ou positivo que existe por trás daquela tarefa. Nada é totalmente agradável ou desagradável. Saia do julgamento dual bom e mau, amplie sua perspectiva.



Fellipe Silvester, consultor de Gestão Organizacional.

- Experimente agora ficar em pé, bem conectado com o chão, com o corpo relaxado. Olhe para frente, enquanto coloca seus ombros para trás e agora olhe o mais alto que for capaz e ainda sorrindo. Perceba agora todas sensações positivas e de poder no seu corpo e como se você fosse capaz de ouvir no seu ouvido as pessoas falando o quando você é poderoso. Chamamos esta de “pose do poder", um estado de recursos para que você seja capaz de, a cada nova tarefa, meta ou objetivo, empoderar-se de recursos positivos para agora ser altamente produtivo.
- Persiga os resultados: no mundo corporativo muitos empreendedores precisam “engolir sapos” para chegar ao topo do mercado. Principalmente no início da carreira quando precisam economizar ao máximo, abrir mão de descanso e conforto, entre outras situações. Para superar isso, é importante ter clareza dos seus resultados.
- Defina regras: isso induz um senso de comprometimento, além de auxiliar sua produtividade e sua busca pelo objetivo final.
- Delegue: se você tiver uma equipe, pode distribuir tarefas desagradáveis que sejam feitas de maneira fácil por outra pessoa. Isso faz com que sua produtividade se concentre em coisas que você tem facilidade e habilidade, aumentando seu rendimento.

 

 

João Custodio, planejamento digital na empresa Bruc Internet

“Tento fazer de um jeito que me deixa tranquilo, como ouvindo música, conversando online com alguém (desfocar me ajuda a abrir a cabeça e esquecer o estresse), bebendo cerveja, etc. Não funciona pra mim essa tática de pensar no alcance dos resultados, na importância da tarefa, etc, porque todas as tarefas são importantes de certo modo. Então, tento tornar a tarefa ruim menos desagradável”.


Mauricio Carvalho, CTO na empresa Husky

“Termino essa tarefa ela no menor número de pomodoros possíveis. No fim, acaba virando uma competição: ‘hoje eu acabo essa m*** com 1 pomo a menos’, e isso motiva”.

 

Tem uma estratégia bacana? Escreve para a Ponto Urbano! E aproveita pra conhecer nossos pacotes de salas compartilhadas e privativas, porque as pesquisas que fizemos no nosso café apontam que trabalhar em uma das unidades de coworking PU aumenta a produtividade. ;)