Cresça seu negócioPOR PONTO URBANOPUBLICADO EM 15/02/2018

Networking sem bola fora

Como já comentamos em um outro post aqui no blog da Ponto Urbano, ter uma rede de contatos bem estabelecida é uma parte fundamental de nossas vidas. É bacana ter amigos de diferentes círculos para ter companhia em diversas situações, e contatos profissionais em empresas e cargos variados, para que suas possibilidades de fechar negócios aumente.

E talvez essa soft skill tenha ganhado um peso tão grande que deixamos de notar o quão natural é, para todos nós, construir relações. Para Glauco Vega, diretor da República de Negócios, empresa de coaching especializada em networking, os anos de observação do mercado mostraram que mais e mais pessoas se perdem em suas relações de negócios e até mesmo pessoais e, o maior motivo é por não saberem lidar com outras pessoas.

Pode-se dizer que o insucesso de um negócio está relacionado a um networking mal-feito, pois muitas vezes as pessoas não estão entendem o verdadeiro significado de se fazer networking e tentam se relacionar sem transparência ou coerência. Algumas procuram por seus contatos apenas quando precisam e os deixam de lado quando conseguem o que querem. Vejo muito isso acontecer no mercado e definitivamente não é o que acreditamos ser correto e nem mesmo no modelo de trabalho que seguimos com a República de Negócios”, comenta ele.

Um modelo proposto por Vega é o crossnetwork, que consiste em:

1 – Avaliar seu Networking atual;

2- Diagnosticar os pontos fortes e as oportunidades da sua rede;

3- Criar e executar um plano de ação focado em seus objetivos;

4- Escrever o propósito desse novo ciclo;

5- Entrar em ação de forma mais correta e direcionada a seu propósito.
 

E na hora de praticar o seu plano, é importante lembrar de alguns pontos. Por exemplo, ao comparecer a um evento que favoreça o networking, as pessoas deveriam buscar um envolvimento com contatos novos, em vez de se manter em grupos já conhecidos; demonstrar interesse em construir uma conversa produtiva e não apenas falando de negócio, evitar dominar a conversa ou se gabar muito de algo que tenha feito.

E não basta só entrar no Facebook ou LinkedIn e adicionar todo mundo ou distribuir todos os seus cartões de visitas em um grande evento. Networking requer também manter os contatos ativos, ser lembrado. “Uma dica que dou é: preocupe-se em escutar e focar sua atenção em pessoas em quem você vê potencial de relacionamento futuro, seja ele fornecedor, parceiro de negócios, sócio ou funcionário. Outra dica é fazer perguntas sobre a outra pessoa, em vez de falar de si e do seu negócio logo de início - também é uma boa ideia para se sentir mais à vontade, em um primeiro momento. Com o tempo, isso fica natural e seu capital social aumentará na mesma proporção, expandindo sua capacidade de formar relacionamentos sólidos, pessoais e profissionais”, finaliza o coach.

 

Palavra de empreendedor

Acredito que um dos erros é não ter um cartão de visita em mãos, é a coisa mais chata quando peço para uma pessoa e ela não tem”.
Marcos Schotka, proprietário do Schotka Parts


Acho chato aquele papo inicial - o que você faz, o meu negócio é isso - sem ter um gancho mais interessante, pois parece que a conversa fica perdida. Uma estratégia legal que usei um dia foi observar a apresentação de uma empresa numa rodada de negócios, na qual o apresentador falou muito sobre desenvolver pessoas, e eu trabalho com cursos. Então, cheguei com esse gancho para ele e a conversa fez mais sentido. E acho válido pontuar para os organizadores que uma rodada de negócios precisa pensar no networking. Estive em uma que foi muito mal organizada, ficaram um tempão falando dos patrocinadores e sobrou pouco espaço para fazer contatos, as pessoas foram embora cedo demais porque ficaram cansadas e entediadas”.
Michele Keller, Alkimea Consultoria para empreendedores e desenvolvimento humano