Cresça seu negócioPOR PONTO URBANOPUBLICADO EM 29/03/2018

Como melhorar a falta de foco?

A vida de empreendedores e profissionais de grandes centros, como São Paulo, costuma ser muito corrida - não é fácil dar conta das demandas do trabalho, cuidar da saúde e dos relacionamentos pessoais, descansar e ter lazer de forma satisfatória sem uma agenda organizada. Se você é um dos coworkers da Ponto Urbano e usa os serviços por hora marcada, sabe também da importância de fechar suas atividades sem muitas distrações, para que possa aproveitar da melhor maneira o seu tempo no coworking.

Por isso, a falta de foco é um problema que incomoda muito, além de implicar custos extras e gerar estresses desnecessários causados pelos atrasos nos projetos.

 

De acordo com a master coach Mariana Padovani Martins, que também é professora nas áreas de Coaching, Programação Neurolinguística (PNL), Neurogestão, Marketing e Comunicação na FGV, ter foco é saber o que se objetiva, estar com a atenção direcionada para os elementos e complementos que, de algum modo, relacionam-se com aquilo que se deseja e gerenciar o funcionamento da percepção humana, que naturalmente é seletiva, simplificadora e limitada no tempo. “O foco, relaciona-se com a capacidade de concentração e reflexão. Segundo a neurociência, estar focado requer utilizar de maneira intensa e estratégica o nosso neocórtex, também conhecido como o terceiro cérebro ou camada cerebral responsável pelas ações mais racionais. O que não significa deixar as emoções, comandadas pelas outras camadas cerebrais  (límbica e reptiliana) à derivada. Pelo contrário, é desenvolver estratégias para também gerenciar os impulsos emotivos que ora ou outra podem distrair a tal da concentração naquilo que se escolhe interessar”, explica Mariana.

 

Ela diz que o foco é atrapalhado quando temos à disposição outras atividades que proporcionam prazeres e alegrias a curto prazo, nas quais os processos são mais práticos e não necessitam de tanta reflexão para escolher ou tomar uma decisão, pois nosso cérebro naturalmente busca economizar energia e esforço para adquirir recompensas. “Neste sentido, nossa sociedade digital se vê mais vulnerável, pois neste meio virtual, as possibilidades de ser e estar no mundo de diversas maneiras multiplicam-se, o que, no meu ver, atrai as camadas mais emocionais e especificamente mais impulsivas no cérebro humano, levando muitas vezes as pessoas a perderem o foco daquilo que desejam realmente ou que se propuseram a fazer, para satisfazer necessidades passageiras”, comenta a especialista.

 

Mas calma! Pedimos para Mariana algumas dicas de como melhorar a sua capacidade de concentração e foco. Anote aí:

  • Primeiramente, analise o porquê verdadeiro do foco e para o quê, especificamente. Qual é o real sentido do objetivo de manter este foco. Quais seriam realmente os principais benefícios para a sua vida, seja na área que for, pessoal, profissional, saúde, família etc.
     
  • Desenvolva um planejamento com etapas, atividades individuais  e prazos.
     
  • Como nosso cérebro funciona também por meio de neuroassociações, que resultam, segundo a PNL em âncoras direcionadoras, e segundo o Coaching, acionadores positivos, pode-se desenvolver o hábito de espalhar pelos ambientes em que se circula e nos objetos ou aparelhos que se utiliza (celulares, computadores, espelhos, porta da geladeira, murais,  etc), palavras, frases imagens, cores e sons, que tenham alguma relação direta com o objetivo, meta e atividades do planejamento desenvolvido.
     
  • Outra dica importante é pensar nos objetivos e metas de maneira positiva, pensar realmente "naquilo que se quer" e não "naquilo que não se quer”. Por exemplo, em vez de pensar “eu não quero perder este projeto”, pensar “eu quero fazer um projeto impecável”. Desta forma, direcionamos o nosso foco para as coisas que realmente desejamos e que se relacionam com aquilo que de fato desejamos.
     
  • Também é importante entender que algumas pessoas são mais visuais (imagens), enquanto outras são mais auditivas (sons) ou ainda, mais cinestésicas (práticas). Ou seja, por meio da auto-observação, identifique se tem maior facilidade de absorver, atrair-se e aprender, através de imagens, sons ou práticas.

 

Palavra de empreendedor

 

Fabrício Yutaka Fujikawa, Diretor de qualidade na Univirtua.

“Eu uso um método bem simples, que aprendi com Cal Newport, em que divido meu dia em ‘blocos’ numa folha de papel e, quando estou no horário de um "bloco", fico focado 100% nele. Isto me ajuda bastante. Os dias que estou com preguiça e acabo não sendo disciplinado para planejar meu dia assim, sinto que rende bem menos”.

 

Gabriel Mascarenhas, desenvolvedor de projetos na Updata.

“Acho que utilizar uma solução como o Toggl é uma boa para mensurar o quanto você está saindo do foco. Esse é o primeiro passo, o segundo é manter a disciplina”.

 

Vinícius Moreira Da Silva Nunes, diretor na empresa Revolution Of Mind Engenharia e Consultoria.

“A técnica pomodoro é muito boa. Acrescento a ela as melhores condições ambientais possíveis, consigo melhor concentração quando a temperatura está boa para mim, quando o conforto é bom, silêncio total ou uma música que colabore para entrar em sintonia com o que estou trabalhando. Muito difícil conseguir todas as condições ideias, mas quanto mais perto eu chego disso melhor”.



Na Ponto Urbano, os ambientes são pensados para favorecer o foco e a concentração de nossos coworkers. Conheça nossas unidades na Av. Angélica, Higienópolis ou Vila Mariana. Esperamos você!